segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Você sabe o que é bicicletada???

CONHEÇA A BICICLETADA NATAL/RN

http://www.bicicletadanatalrn.blogspot.com/


O que é a Bicicletada?

http://www.bicicletada.org/O+que+e

A Bicicletada é um movimento no Brasil e em Portugal inspirado na Massa Crítica, onde ciclistas se juntam para reivindicar seu espaço nas ruas.

Não existe um objetivo central, mas diversos objetivos sempre decididos pelos participantes. No entanto um mote em geral une os participantes. A Bicicletada serve para divulgar a bicicleta como um meio de transporte, criar condições favoráveis para o uso deste veículo e tornar mais ecológicos e sustentáveis os sistemas de transporte de pessoas, principalmente no meio urbano.

A Bicicletada, assim como a Massa Crítica, não tem líderes ou estatutos, o que leva a variações de postura e comportamento de acordo com os participantes de cada localidade ou evento.

Dentre a pluralidade de motes, está o lema "um carro a menos", usado principalmente para tentar obter um maior respeito dos veículos motorizados que trafegam nas ruas saturadas das grandes cidades. Outro slogan levantado é o "Nós somos o trânsito". A idéia é deixar claro aos motoristas que a bicicleta é apenas mais um componente da mobilidade urbana e que merece o devido respeito.


Objetivos

1. Pedalar;

2. Divulgar, estimular, promover e criar condições favoráveis para o uso da bicicleta como meio de transporte;

3. Integrar os ciclistas da cidade e valorizar a cultura da bicicleta;

4. Conscientizar os usuários dos meios de transporte motorizados da importância da bicicleta para aliviar os congestionamentos;


A ideia é celebrar a ocupação das ruas, festejar e fomentar a harmonia no espaço que é de todos. Harmonia, alegria e celebração são as palavras de ordem.


O que é NÃO é legal fazer durante a Bicicletada:



--Insultar verbalmente e ou agredir pedestres, motoristas, passageiros de coletivos e pessoas nos bares, mesmo se eles provocarem

--Provocar as mulheres na rua. Tanto elas como as mulheres da bicicletada podem se sentir ofendidas

--Andar com a bicicleta nas calçadas

--Correr na frente para bloquear o tráfego antes da massa chegar

--Andar na contra-mão

--Esquecer de sorrir, acenar e falar com outras pessoas

--Imaginar que você é moralmente superior só porque está pedalando uma bicicleta

--Abster-se de dizer aos companheiros o que você acha do seu comportamento, seja bom ou ruim. Converse com os outros!

--Interromper desnecessariamente acessos que não serão utilizados pelo passeio

--Usar pistas que não são necessárias. Se houver múltiplas faixas, vamos liberar algumas para os veículos mais rápidos

--Esquecer que todos somos responsáveis por fazer a massa crítica que nós queremos.



O que é legal fazer durante a Bicicletada:


>>Fantasiar-se para chamar a atenção e alegrar o movimento

>>Distribuir panfletos aos pedestres e motoristas explicando porque estamos ali

>>Conversar com o ciclista do lado, fazer amigos e se divertir

>>Cuidar da segurança de todos

>>Abordar amigavelmente aqueles que estão desrespeitando os pedestres e motoristas

>>Distribuir flores e conversar com outras pessoas, passageiros de ônibus e motoristas

>>Convidar as pessoas a se juntarem a nós na próxima vez

>>Ajudar veículos presos atrás da massa a sair para a direita

>>Diminuir a marcha regularmente se você estiver na frente (não importa o quão devagar você acha que está pedalando, lacunas estarão se abrindo atrás de você)

>>Parar no semáforo vermelho quando estiver na frente para permitir que o resto da massa se junte a você

>>Continuar pedalando no semáforo vermelho se a massa já estiver atravessando o cruzamento, pois ficar juntos é mais seguro e previsto por lei

>>Preencher lacunas; massa crítica depende da densidade de bicicleta em relação ao automóvel

>>Lembrar-se que o prazer e o convívio são mais subversivos do que a raiva e provocação.


Não odiamos os carros, amamos bicicleta!

Como participar


Para participar da Bicicletada, basta comparecer no local do encontro no dia e horário combinado.


Não é preciso fazer qualquer tipo de inscrição ou pagar qualquer taxa. É recomendável que você vá de capacete, mas, caso não o possua, não deixe de participar por causa disso.


Os roteiros são decididos na hora e podem ser realizados por ciclistas de todos os níveis, inclusive iniciantes. Você pode trazer seus próprios panfletos, cartazes ou faixas ou participar das manifestações já existentes.


Se você é motorista e não pode participar da Bicicletada pedalando, seu apoio também é bem vindo, seja divulgando a causa, seja respeitando o ciclista no seu dia a dia.

Princípios



1. Base horizontal

Não há hierarquia de cargos. As decisões são tomadas por consenso. Os consensos são feitos nas reuniões ao vivo, que são feitas depois de cada passeata da Bicicletada, e em seguida são enviadas para a lista para discussão com os participantes que não puderam estar presentes e com os que são de outras localidades.

Consenso não significa que todos concordem plenamente, mas que ninguém apresentou uma razão convincente para os demais contra a decisão que está sendo tomada. Essa razão deve se basear nos princípios e objetivos da Bicicletada.

A votação é utilizada como meio de decisão somente nos casos em que todos os participantes concordem com esse uso.


2. Ações

Os atos, decisões, projetos e ações do movimento devem se basear nos princípios e objetivos da Bicicletada, e podem ser bloqueados caso os infrinjam ou prejudiquem.

3. Organização

A Bicicletada é uma organização apartidária, não-comercial e que não visa lucro material ou financeiro.

4. Independência

O movimento não pode ser vinculado a nenhuma entidade comercial, governamental, partidária ou religiosa. Durante as passeatas, não podem ser feitas ações, como panfletagens, que liguem o movimento a outras entidades ou ideologias não relacionadas aos princípios e objetivos da Bicicletada.


5. Participantes

A participação é aberta a qualquer pessoa ou entidade interessada e que esteja de acordo com os princípios do movimento. Qualquer participação, seja na forma doação de recursos ou de esforços, deve ser voluntária e não pode ser condicionada a nenhum tipo de retorno. O único retorno serão os resultados do movimento.

Na Wikipédia:

BICICLETADA http://pt.wikipedia.org/wiki/Bicicletada

A Bicicletada é um movimento iniciado em 1998 em São Francisco nos Estados Unidos se alastrando depois para o Brasil, Portugal e, mais recentemente, para Moçambique. Inspirado na Massa Crítica, (critical mass), onde ciclistas se juntam para reivindicar seu espaço nas ruas. Os principais objetivos da Bicicletada são divulgar a bicicleta como um meio de transporte, criar condições favoráveis para o uso deste veículo e tornar mais ecológicos e sustentáveis os sistemas de transporte de pessoas, principalmente no meio urbano.

A Bicicletada, assim como a Massa Crítica, não tem líderes ou estatutos, o que leva a variações de postura e comportamento de acordo com os participantes de cada localidade ou evento. Algumas Bicicletadas apresentam uma forte postura anti-carros, com faixas, cartazes e comportamento que criticam fortemente não só o uso de veículos motorizados como os próprios motoristas. Esse comportamento tende a ser recebido com ressalvas pelos motoristas, que por vezes se sentem agredidos pelos pontos de vista e atitudes dos manifestantes. Apesar disso, não há relatos de confrontos entre ciclistas e motoristas nas manifestações, que são sempre pacíficas.

Por outro lado, outras Bicicletadas têm se tornado cada vez mais criativas, como a Bicicletada da cidade de São Paulo: já há alguns anos, é visível e crescente a tendência de utilizar bom humor[1] e ações mais duradouras para conquistar os motoristas em vez de confrontá-los, mostrando que a bicicleta é um meio de transporte viável, rápido, saudável e prazeroso, além de passar a mensagem de que os ciclistas têm direito a seu espaço nas ruas. Essa nova postura tem mais receptividade com os motorizados e se torna mais interessante à mídia não especializada, resultando em uma exposição maior do movimento[2] e principalmente da idéia da bicicleta como meio de transporte. Em setembro de 2006, a Bicicletada paulistana promoveu, junto com outros movimentos e entidades, várias atividades relacionadas ao Dia Mundial Sem Carros, como o Desafio Intermodale a Vaga Viva. As iniciativas se repetiram no ano seguinte[3][4] e continuaram acontecendo nos anos subsequentes.

O maior mote da Bicicletada é "um carro a menos", usado principalmente para tentar obter um maior respeito dos veículos motorizados que trafegam nas ruas saturadas das grandes cidades.


MASSA CRÍTICA http://pt.wikipedia.org/wiki/Massa_Cr%C3%ADtica

Massa Crítica (Critical Mass) é um evento que ocorre tradicionalmente na última sexta-feira do mês em muitas cidades pelo mundo, onde ciclistas, skatistas, patinadores e outras pessoas com veículos movidos à propulsão humana, ocupam seu espaço nas ruas. No Brasil, Portugal e em Moçambique, há um movimento ciclístico inspirado na Massa Crítica, chamado Bicicletada.

A Massa Crítica é simplesmente um grupo, e como tal não tem outro objetivo além de se encontrar mensalmente para aproveitar o prazer e segurança de andar pela cidade em grupo. A frase "não estamos atrapalhando o trânsito, nós somos o trânsito" expressa bem a filosofia desse movimento. Críticos têm alegado que o evento é uma tentativa deliberada de obstruir o tráfego e causar uma interrupção nas funções normais das cidades, afirmando que os indivíduos que participam da Massa Crítica se recusam a obedecer as leis de tráfego que se aplicam a ciclistas, em geral as mesmas que dos outros veículos. Esses participantes que desrespeitam as leis defendem suas ações baseados na crença de que, nas circunstâncias especiais que cercam o evento, obedecer as leis à risca seria mais perigoso e inconveniente para os usuários das ruas. além disso, alguns participantes acreditam que as leis para os usuários de bicicletas nas ruas são injustas e diferentes das que tratam os pedestres e motoristas, e que as leis de trânsito favorecem fortemente o uso de veículos motorizados em muitas cidades. Desrespeitar as leis de trânsito no contexto da Massa Crítica é portanto um protesto contra essa injustiça.

As Massas Críticas são passeios auto-organizados e independentes - geralmente apenas o local de encontro, o dia e o horário são definidos. Em algumas cidades, o trajeto, o ponto de chegada e as atividades ao longo do percurso são decididos somente quando o evento já esta ocorrendo. Claramente existe um caráter de protesto nesses eventos: os participantes demonstram, se reunindo em público, as vantagens de usar a bicicleta como meio de transporte nas cidades e também alertam para as mudanças necessárias no espaço urbano para melhor acomodar os ciclistas.

Propósito

O propósito da Massa Crítica não é bem compreendido por seus críticos, isso principalmente por sua origem e estrutura anarquista. A idéia é que o evento ocorra de acordo com os princípios da ação direta, criando um espaço publico onde os automóveis são substituídos por meios de transporte movidos à propulsão humana. Um dos slogans define bem a intenção do movimento: We Are Traffic (Nós somos tráfego). A Massa Crítica é sem dúvida ligada ao movimento ambiental, o qual cita o automóvel de uso privado como uma catástrofe para o nosso meio ambiente, tanto em termos físicos como em termos sociais. Geralmente, o objetivo do evento, como indicado pelas ações de seus participantes, é se opor à dominação do automóvel no meio urbano, criando uma alternativa mais ecológica e sustentável. Não existe uma padronização, e os participantes possuem opiniões e metas diferentes, em alguns casos podem até discordar. Por exemplo, alguém pode participar não por razões ambientais, mas movido por teorias de justiça social. Muitos participam não em oposição a alguma coisa, mas simplesmente por gostar da oportunidade de se locomover na cidade de forma segura e com outras pessoas.

Histórico e organização dos eventos

A primeira edição da Massa Crítica ocorreu em São Francisco em 1992. Rapidamente o nome se espalhou e foi adotado por uma série de iniciativas de ocupação das ruas que já ocorriam pelo mundo afora. Estima-se que mais de 325 cidades organizem Massas Críticas.

O termo "massa crítica" surgiu de uma observação feita por um estadunidense chamado George Bliss enquanto visitava a China. Ele notou que no tráfego chinês, motoristas e ciclistas haviam adquirido um método de lidar com cruzamentos não sinalizados. O tráfego iria se "agrupar" nessas intersecções até atingir um ponto de "massa crítica" no qual a massa se moveria através da intersecção. Essa descrição é relatada no documentário de Ted White Return of the Scorcher (1992) e posteriormente adotado pelo movimento Massa Crítica. Os primeiros eventos de San Francisco em 1992 eram na verdade nomeados Commute Clot, porém esse título estranho foi rapidamente mudado depois que o filme de Ted White foi exibido. E claro, Massa Crítica também é uma referência a várias teorias sociais que sugerem que uma revolução social pode ser alcançada depois que uma certa massa crítica de apoio popular é demonstrada. Isso reflete a freqüente ambição não declarada de muitos participantes do movimento de que o equilíbrio da mobilidade em nossas cidades penderá para bicicletas ou outros meios de transporte que não sejam o veículo motorizado individual.

A estrutura

A Massa Crítica difere de muitos movimentos sociais por sua estrutura horizontal e pela ausência de hierarquia. Uma idéia que define bem o movimento e que é muito usada é a de uma "coincidência organizada", sem líderes e sem organizadores. Por exemplo, o termo xerocracy foi cunhado para descrever o processo de decisão dos trajetos: qualquer um que tenha uma opinião a dar faz seu próprio mapa e distribui para os outros participantes. As vezes os trajetos são decididos no meio do caminho por aqueles que estão na parte da frente do grupo. Em outras ocasiões ocorrem votações de qual será o trajeto a ser percorrido naquele dia. Esses métodos livram o movimento dos custos envolvidos na manutenção de uma organização hierárquica: não há reuniões, infra-estrutura, políticas internas etc. Para que aconteça, tudo o que precisa ocorrer é que um número suficiente de pessoas saiba do evento e apareça no dia combinado, para criar uma "massa crítica" grande o suficiente para ocupar de forma segura um pedaço das ruas, que ordinariamente pertencem apenas aos veículos motorizados.

"Corking"

Os participantes do Critical Mass precisam liderar seu próprio evento, simplesmente por não haver liderança formal. Para moderar o passeio do grupo, os ciclistas usam de um artifício que chamam de "corking", que envolve bloquear o tráfego nas ruas laterais para que os participantes passem livremente (às vezes até ultrapassando semáforos vermelhos) sem medo que veículos motorizados fiquem presos no meio da multidão. É considerado mais seguro para os participantes permanecerem juntos e não permitir automóveis entre eles, diminuindo o risco de atropelamentos e acidentes com os carros. Veículos motorizados entrando em meio à massa criam gargalos e causam interrupções, tornando a movimentação mais lenta e prejudicando tanto o fluxo de manifestantes quanto o de veículos motorizados que aguardam passagem. No entanto, para uma massa crítica de ciclistas de centenas ou milhares de participantes, os veículos terão que aguardar de qualquer modo e, nesse caso, essa prática é utilizada principalmente por questões de segurança. A dinâmica do corking é similar às paradas. Ao explicar a dinâmica do "corking" para os iniciantes, muitos recorrem à metáfora de um grande ônibus transportando um grupo de pessoas que não deve ser dividido, mesmo que o sinal feche depois que o grupo começou a passar por um cruzamento. Na maioria das cidades, as massas críticas tentam acomodar uma parte da rua para veículos de emergência (bombeiros, polícia, hospital, etc.) e tomam cuidado em travessias de pedestres; diferentemente de um grupo de carros, é possível criar espaço rapidamente.

Alguns críticos argumentam que a prática do corking nas ruas para a travessia de semáforos vermelhos, é contrária à reivindicação da Massa Crítica que diz que "nós somos o trânsito", pois qualquer trânsito de veículos, incluindo o tráfego de bicicletas, geralmente não possui esse direito, a não ser com permissão da autoridade de trânsito local ou em lugares onde a legislação permita tal prática (cidades como Idaho nos EUA : Lei de Bicicletas de Idaho). A prática do corking também dá aos participantes da Massa Crítica a oportunidade de conversar com os motoristas ou espectadores sobre o que está acontecendo, ou por que eles estão sendo solicitados para aguardar. Às vezes, o corking gera hostilidade entre motoristas e ciclistas, acarretando conflitos durante os passeios. Nesses momentos, o melhor a fazer é interromper a massa e permitir que o motorista problemático passe, evitando que o conflito escale para a agressão, situação na qual poderia ser difícil conter a massa de participantes. Entretanto, a maioria dos ciclistas anda pacificamente e a maioria dos motoristas respeita a manifestação, desde que não se sintam ofendidos ou agredidos por ela. Na Massa Crítica de Vancouver (veja a M.C. de Vancouver, Canadá), alguns ciclistas trabalham com a polícia para reportar ameaças perigosas de motoristas aos participantes. É interessante ter nas laterais da manifestação "guias de apoio" experientes em passeios ciclísticos urbanos, bem como um guia de retaguarda para fechar o grupo. Esses guias farão o corking de forma rápida, segura e educada, evitando conflitos com motoristas e mantendo o grupo coeso.

Confrontos

San Francisco, 1997

Em 1997, o prefeito de São Francisco, Willie Brown, declarou guerra contra a Massa Crítica depois de ficar preso no trânsito justamente atrás de um grande grupo de pessoas que participava do evento de junho. Ele queria todos os participantes presos e começou uma guerra de palavras na imprensa que escalou para uma grande controvérsia antes do evento de 27 de julho. Ao invés de encontrar-se com os ciclistas, o prefeito recebeu um pequeno grupo que se autodesignava líder para realizar um acordo. Os jornais publicaram o que foi chamado de "rota acordada". Na sexta-feira, o prefeito tentou dirigir o público para o ponto de encontro em Embarcadero, mas sua voz foi sobreposta pela multidão. A desordem começou quando a massa passou uma quadra além da rota supostamente combinada e então se desviou para o centro da cidade. O evento continuou por horas, com brigas entre ciclistas e motoristas, bicicletas destruídas e abuso policial que por fim terminou em mais de cem prisões.

Nova Iorque, 2004

Depois que Convenção Nacional Republicana de 2004 coincidiu com a Massa Crítica de Nova Iorque de agosto, surgiram muitos casos na justiça a respeito da legalidade da manifestação, questionando tanto se a polícia tinha o direito de prender ciclistas e confiscar suas bicicletas quanto se o evento demandava uma licença. Em dezembro de 2004, um juiz federal expediu uma ordem judicial contra a Massa Crítica classificando-a como um "evento político" [1]. Em 23 de março de 2005, a cidade iniciou uma ação judicial tentando prevenir a TIME'S UP!, uma ONG local de ação direta, de promover ou anunciar os eventos de Massa Crítica. A ação também dizia que a TIME'S UP! e o público em geral não poderiam participar do evento ou do grupo de pessoas da Massa Crítica, afirmando que uma licença para tal era necessária.

O documentário Still We Ride mostra a natureza desses passeios ciclísticos antes e depois da polícia de Nova York tomar conhecimento deles. [2] [3]

Londres, 2005

Em setembro de 2005, a Massa Crítica de Londres, na Inglaterra, se encontrou em conflito com as leis quando a Polícia Metropolitana anunciou publicamente que os organizadores do evento deveriam reportar com seis dias de antecedência a rota que fariam no dia do evento. Além disso, declararam que o evento seria restringido no futuro e que haveria prisões se as ordens não fossem cumpridas. A ameaça foi rapidamente moderada quando grupos políticos e de ciclistas objetaram publicamente.

São Paulo, 2008

Em dezembro de 2008, a Massa Crítica (Bicicletada) de São Paulo rumava da Av. Paulista, em São Paulo, para Santos, no litoral [4]. A empresa Ecovias, que possui a concessão das estradas que levam à baixada santista, não permite o fluxo de bicicletas e o objetivo da Massa Crítica era conquistar esse direito, previsto em lei (art. 58 do Código Brasileiro de Trânsito). A Polícia Rodoviária tinha ordem de impedir a descida e os ciclistas foram barrados várias vezes [5]. Não houve confronto ou detenções, porém a negociação com os policiais não deu resultado [6] e apenas sete ciclistas conseguiram chegar ao litoral [7].

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Bicicletada Natal-RN do mês de agosto.

Trajeto de Agosto (conheça o que é a Bicicletada http://bicicletadanatalrn.blogspot.com/2010/08/trajeto-de-agosto.html )


Ida:

IFRN, Hermes, Gustavo C.Farias, Floriano Peixoto, Miramar, Café Filho, Sílvio Pedroza, Via Costeira, João XXIII, Farol de Mãe Luiza.


Volta: João XXIII, Tuiuti, Hermes da Fonseca, IFRN.
 
Veja o vídeo da Bicicletada de junho:
 
video
 
Fonte:http://bicicletadanatalrn.blogspot.com/

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Movimento contra a corrupção na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte

Eu estava lendo na internet o jornal Tribuna do Norte e achei essa notícia no blog Panorama Político de Anna Ruth Dantas:


"MARCCO inicia ações contra atos secretos da Assembleia Legislativa do RN


A notícia é destaque no site do Tribunal de Contas da União e o Panorama Político reproduz na íntegra:


O Marcco (Movimento Articulado de Combate à Corrupção) iniciará, neste mês de agosto, uma série de ações voltadas à anulação de atos secretos da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte que, entre 1990 e 2002, culminaram com 193 nomeações, sem concurso público, sem publicação e sem registro no Tribunal de Contas, de parentes de políticos, juízes e procuradores, com salários que ultrapassam R$ 19 mil.

As nomeações ilegais têm sido validadas por juízes de primeiro grau do Rio Grande do Norte, que consideram a pretensão à anulação das nomeações prescrita, em flagrante oposição à jurisprudência do Supremo Tribunal Federal.

Os integrantes do Marcco pretendem visitar todos os desembargadores que vão julgar os recursos interpostos pelo Ministério Público nas 21 ações judiciais de anulação dos atos secretos.

O Marcco disponibilizará em seu site e em redes sociais informações sobre o caso dos atos secretos da Assembleia Legislativa."
Fonte: http://blog.tribunadonorte.com.br/panoramapolitico/marcco-inicia-acoes-contra-atos-secretos-da-assembleia-legislativa-do-rn/51357

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Na próxima semana...


Olá,
       Caros leitores e/ou seguidores, tenho recebido diversos e-mails perguntando quando postarei novidades no blog, pois bem, devido a correria do trabalho só postarei na próxima semana, Agradeço desde já a paciência e a compreensão.